No campo com meu arado.

Nos campos em que eu ando, vivendo desse arado.

A vida segue tranquila, a quem não lhe negue trabalho.

Percorro todos os vales, ando por todos os caminhos.

Por que  eu sou vida, e não sei andar sozinha.

Sou luta, sou sol, sou o suor que percorre todo meu corpo, sou porto, sou abrigo,

Sou chama que pede pra vida manter acesa a chama a qual existe em mim.

Por que eu sou sempre estrada, que está a se construir.

Mas porém certa de que a chegada será calorosa pra mim…

DSCN2467 (2)

Autoria:Valdete Ramos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s